Novo relatório diz que Ontário precisa de uma estratégia regional de imigração

As pequenas comunidades de Ontário poderiam se beneficiar do fluxo de imigrantes que se estabelecem desproporcionalmente na área da Grande Toronto, disse um novo relatório do Conference Board do Canadá, ao exigir que todos os níveis do governo resolvam o desequilíbrio.

O estudo disse que o número de recém-chegados que se estabeleceram em Ontário no ano passado ilustra profundamente a disparidade entre a grande Toronto e o resto da província. O relatório ressalta também que os níveis atuais de assentamentos na grande Toronto têm potencial para sobrecarregar os recursos da cidade e impedir outras regiões de se desenvolverem economicamente.

O relatório constatou que 106.000 imigrantes se estabeleceram em Toronto e nos arredoresem 2018, representando 77% de todos os recém-chegados na província. Esse número superou o número total de imigrantes que desembarcaram nas quatro províncias do Atlântico, Quebec, Manitoba e Saskatchewan juntos.

Apenas 23% dos recém-chegados estão espalhados pelo resto da província, o que faz com que o conselho discuta a necessidade de mais recém-chegados para alimentar a economia local.

O economista-chefe do conselho, Pedro Antunes, disse que a baixa taxa de desemprego de Ontário sugere um mercado de trabalho particularmente apertado – uma tendência que também se aplica ao país como um todo.

À medida que avançamos, sabemos que, sem a imigração, realmente veremos uma estagnação do número total de trabalhadores no Canadá”, disse Antunes em uma entrevista por telefone. “Essa seria uma imagem terrível em termos de potencial de crescimento econômico”.

Essas condições de mercado são exacerbadas por fatores como baixa taxa de natalidade, envelhecimento da força de trabalho e altos níveis de afastamento de algumas comunidades, segundo o relatório.

Antunes disse que o crescimento econômico é o que permitirá às províncias gerar receita, o que, por sua vez, ajuda a pagar por serviços importantes, como assistência médica e educação. O fracasso em sustentar ou aumentar dessas receitas, disse ele, deve suscitar sérias preocupações para todos os residentes.

O relatório também disse que uma análise da taxa de dependência projetada da província, ou proporção de pessoas na força de trabalho e pessoas de fora dela, também enfatiza a necessidade de aliviar a pressão no mercado de trabalho.

A proporção atual de Ontário é de 62 dependentes para 100 trabalhadores e deve subir para 79 em 100 em 2040, disse o relatório.

Essa proporção prevista, disse Antunes, torna ainda mais importante ter trabalhadores suficientes para alimentar os motores econômicos da província.

Antunes disse que é fácil entender por que os imigrantes são atraídos pela grande Toronto, observando a combinação de oportunidades de emprego, programas de apoio e comunidades existentes de recém-chegados, que dão à região um apelo considerável. Toronto está sentindo os benefícios econômicos do influxo de imigrantes, mas a tendência também traz riscos, disse ele.

O relatório disse que o fluxo constante de recém-chegados tem potencial para tributar os apoios sociais da região e a infraestrutura existente, incluindo desde transporte público até moradias apropriadas.

O Conselho argumentou que todos os níveis de governo têm um papel a desempenhar na equalização da distribuição dos imigrantes de Ontário, mas argumentou que a província possui uma das ferramentas mais potencialmente poderosas.

O relatório pede que Ontário refine seu Programa de Nomeação de Imigrantes, que é o canal oficial pelo qual imigrantes e estudantes internacionais podem se candidatar a residência permanente.

Uma sugestão oferecida para o programa envolve o estabelecimento de uma meta rígida para o número de recém-chegados que se instalam em comunidades fora da grande Toronto.

O Ministério do Desenvolvimento Econômico de Ontário não respondeu imediatamente a um pedido de comentário sobre o relatório do Conselho da Conferência ou suas recomendações específicas.

Antunes disse que as mudanças no programa indicado devem fazer parte de uma estratégia mais ampla de imigração, outra das cinco recomendações apresentadas no relatório.

Outra involve incentivar as comunidades menores a serem mais proativas em se promoverem como destinos atraentes para os recém-chegados, algo que Antunes disse que alguns municípios fizeram nos últimos anos com sucesso limitado.

Antunes disse que o Conselho também recomenda o aumento da educação do público sobre os benefícios da migração econômica, reconhecendo um aumento no sentimento anti-imigrante nos últimos anos,assunto que promete vir à tona durante a campanha eleitoral federal pendente.

“Essas são questões políticas e acho que nós, como cidadãos, precisamos nos posicionar sobre isso. A população deve ser informada sobre quais são os fatos e quais são os números”, disse ele. “Em geral, os canadenses tendem a ser bastante receptivos aos migrantes econômicos. Eles entendem a realidade do nosso mercado de trabalho e as necessidades de crescimento. ”

Fonte: https://bit.ly/2kS9WjF